23 de mai de 2017

Tratamento parte III


Bem, já são seis meses de tratamento, passado o trauma da primeira consulta e do compartilhar com mais pessoas os meus problemas, passada a fase em que se cria um vínculo com a pessoa que te atende como psicóloga, ainda tenho problemas sérios. Entrei em uma fase em que me sinto pedalando. Eu melhorei o suficiente para voltar a ser funcional em minha vida e cuidar melhor de mim, mas continuo dentro de um processo de depressão que não me permite ser altamente produtiva como gostaria.

Já fiz o exercício de racionalizar produtividade, de tentar não ser exigente demais comigo e de repensar os limites do que é ser produtiva para mim. Sei que não devo basear minha autoavaliação em parâmetros impostos externamente. A sociedade impõe padrões de produtividade, reforça eles com o uso das redes sociais para difundir o discurso de que todos são vitoriosos e satisfeitos e criam a sensação de estar sempre aquém do esperado. A grande dívida com a sociedade começa e eu não deveria cair nessa.

Mas saber sobre algo não significa automaticamente mudar e tomar o outro rumo. O outro rumo aqui seria encontrar um meio-termo entre produtividade e saúde mental. Algo que cumprisse com as necessidades financeiras sem me colocar naquele lugar doloroso que é a ansiedade e a culpa por dever estar fazendo mais. Fazer menos e bem feito, minimizar os esforços e garantir mais resultados, lei de Pareto e outros discursos que só reforçam o quanto eu sou péssima em fazer valer também a outra opção, a de não se apegar ao produtivismo. Além de fazer menos e ser mais eficiente, ter tempo livre para os hobbies, para a ioga e para a família e os amigos.

O discurso do ser produtivo é cruel com as pessoas, mas o discurso de efetividade também é.

Tento colocar um novo mantra em minha mente "só o possível", mas será que estou fazendo o que posso? Todos os dias eu duvido disso e tento me perdoar no fim do dia e entender qual era o meu possível. Mas parece que caí num poço que tem lama no fundo, ando escorregando pra equacionar essa nova fase e poder seguir adiante.